Com o crescimento das Marias, tenho que estar sempre atenta às novas filhas e crianças que tenho em casa.

Cada fase traz mudanças, e isso eu já sabia, mas essas mudanças, às vezes, são maiores do que a nossa atenção ao que mudou! Quando percebemos, já não são mais bebês, quando piscamos já aprenderam a escrever e numa distração, já estão enfrentando os hormônios da pré-adolescência.

Como não assustar com a velocidade do tempo e do crescimento das nossas crianças? Como aprender a respeitar e permanecer na vida delas?

É comum, na adolescência, que os filhos se afastem um pouco dos pais e se aproximem dos amigos. Deve ser difícil demais e ainda não cheguei lá, mas estou passando por algumas descobertas.

Percebo que quando explico algo para a Cacá, conto e peço que faça ou não faça algo, que será bom ou ruim para ela, ela me olha com um olhar de que quem já pensa sozinha e que está avaliando as razões da minha fala.

Por mais que eu tenha criado com elas uma relação de não mentir, de explicar tudo, esse olhar tem me deixado ansiosa para o crescimento delas e quais serão os pensamentos e juízos de valores que ela já tem. E será que esse olhar e esses pensamentos e caraminholas da cabeça dela funcionam assim só para o que eu e o pai falamos, ou para os amigos também funciona?

Queremos e tentamos criar filhos pensantes, conscientes e argumentadores para defender o que julgarem correto e bom para eles, mas essa transição nos deixa mesmo inseguros.

Resolvi respirar fundo e continuar no caminho de mostrar o que é certo e o errado, explicar, mostrar os motivos de todos os meus discursos e dar a ela a opção de me escutar. Sigo por perto, avaliando, observando e chamando à atenção quando necessário, para que ela também possa observar e avaliar comigo!

Com o crescimento das crianças elas não nos alcançam apenas no tamanho, mas na consciência também. Que possamos aprender a dar a elas a oportunidade de tirarem as próprias conclusões!

0

Bela Aires

Desde que me tornei mãe passei a me interessar por todos os assuntos referentes à infância e maternidade. Compartilho aqui, com você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *